sábado, abril 17, 2010

GAROTA EU VOU PRA COPACABANA...

 Jean Wyllys é candidato e afirma que "políticos não sabem lidar com a causa gay" 
Desde que o assunto eleições começou a tomar conta dos meios de comunicação, as especulações sobre possíveis candidatos, principalmente no segmento de gays, aumentaram ainda mais e um nome era dado como certo: o de Jean Wyllys, vencedor da quinta edição do Big Brother Brasil.

Em entrevista recente ao site A Capa, Jean negou a sua candidatura (mas não a descartava). À época, o candidato revelou que ainda tinha algumas inseguranças e incertezas. Não sabia se estava preparado para o clima de uma campanha e receava a questão do custo e o real alcance de seu trabalho na Câmara, caso fosse eleito.

Da última entrevista até hoje, passaram-se 45 dias, ou seja, um mês e meio. Nesse tempo Jean, aceitou o convite de Heloisa Helena, presidente do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), legenda pela qual Wyllys irá concorrer a deputado federal pelo Rio de Janeiro.

Na entrevista a seguir, Jean Wyllys fala sobre os desafios de sua candidatura, assume que ainda não superou todas as inseguranças e ainda comenta a atitude da pré-candidata à Presidência da República, Marina Silva, que se negou a empunhar a bandeira do arco-íris oferecida por um vereador gay de seu próprio partido.

Você confirmou a sua candidatura a deputado.  Aceitei o convite da Heloísa Helena. Agora eu sou oficialmente pré-candidato a deputado federal pelo PSOL e pelo Rio de Janeiro.

Qual será a bandeira de sua campanha? Se eleito, vou legislar em defesa dos direitos humanos e das liberdades individuais, o que inclui estender a cidadania plena à comunidade LGBT; mas, também, a defesa das liberdades das mulheres e o direito do "povo de santo" de expressar publicamente sua crença sem ser "demonizado". Na verdade,  legislar em defesa dos direitos humanos é trabalhar em muitas frentes: buscar garantir saúde, educação e habitação de qualidade para os pobres; ampliar o acesso destes às artes; ampliar a oferta de empregos, principalmente do primeiro emprego; enfim, é tentar fazer justiça social e fortalecer a democracia. É uma bandeira plural, eu sei, mas ela reflete a minha própria pluralidade. É uma bandeira colorida, um arco-íris, porque minhas causas têm muitas cores.

Você comentou sobre algumas inseguranças antes de assumir a candidatura. As superou?Não sei se as superei, mas, a urgência das causas me fez colocá-las de lado. Os inimigos da democracia, os intolerantes, os mentirosos, os cínicos, os ladrões, os desonestos, os racistas e os que se opõem à diversidade sexual estão todos na arena; logo, eu não poderia nem posso ficar de braços cruzados: eu tinha e tenho de entrar na arena para enfrentá-los e lutar por dias melhores para nós. Não posso me dar o luxo de ter inseguranças quando nosso bem-estar está em jogo.

Está preparado para o desgaste vindouro?Também não sei se estou preparado para o desgaste vindouro, se é que ele vai vir mesmo, pois esta será minha primeira campanha. Mas, o que posso dizer é que, para quem saiu da extrema pobreza e chegou até aqui contando apenas estudo, trabalho e honestidade, o desgaste que pode vir não chega a ser um problema. Estou ciente de que a chance de eu não ser eleito é igual à que tenho de ser eleito, embora eu vá trabalhar muito para vencer a eleição.

Marina Silva se recusou a erguer a bandeira do arco-íris em evento público do PV. A bandeira foi oferecida por um vereador gay do PV de Alfenas. O que você acha disso?Acho lamentável já que ela conta com a simpatia de parcela expressiva de homossexuais de classe média e com formação, talvez até mais do que eu. A recusa de Marina reflete bem a dificuldade de políticos em lidar com a causa LGBT, mesmo quando, por motivos eleitoreiros, dizem-se simpatizantes. E mostra que a homossexualidade não faz parte das causas unânimes, como o meio ambiente e o futuro das crianças, mas, sim, das causas polêmicas. A Marina teme perder o voto daqueles que querem preservar a Amazônia, mas são insensíveis aos bárbaros crimes de ódio de que são vítimas os homossexuais.

(Por Marcelo Hailer 16/4/2010 - 18:29)

13 comentários:

Cruela Veneno da Silva disse...

chegou a minha vez...

vou cantar.

LEO disse...

TA certo!
se o cara for eleito (é precisa der eleito, ter votos, os caras votarem nele) e o JEEP WILLIS abraçar a causa, nao so GAY mas do BEM!
VAI FUNDO E AVANTI POPULI!
BJSSS
LEO

Vitória disse...

Falar bonito já fala. Meio caminho para a política já está andado..

Thiago da Hora Souza disse...

Sinceramente? Esse será mais um. Trabalho com política e sei muito bem como funciona esse mundo. Ele será engolido pelo ego, pelo dinheiro fácil e pelo trabalho de 3 dias por semana.

Amor Feminino disse...

Concordo com o Thiago. Agora é tudo festa, vai lutar, fazer e acontecer... Será que lá dentro conseguirá? Só votando para saber...

Bjsss

Anônimo disse...

ele é inteligente, já fez parte do grupo gay da bahia, é engajado, acho que merece, por enquanto, um voto de confiança.

... disse...

Mais um! Mais um! Mais um!!!

Anônimo disse...

Direitos humanos? Qual é... Vai lutar em defesa da parada gay num país de mais de 15 milhões de analfabetos? Meu filho, vai por merenda nas escolas! TA FALTANDO O BÁSICO DO BÁSICO E ESSE POVO TEM A CARA ED PAU DE VIR FALAR DE DIREITOS HUMANSO E COMUNIDADE LGBT!

Andréa disse...

Meu voto já é seu, Jean.

CQCM disse...

Esses gays são todos iguais, sempre se fazendo de coitados "mas são insensíveis aos bárbaros crimes de ódio de que são vítimas os homossexuais" crimes bárbaros são cometidos contra héterossexuais também meu amigo.

Você quer é mamar nas tetas do estado, ou é mais um iludido achando que sozinho e sem influencia nenhuma vai mudar alguma coisa.

Chegou a hora da gente parar de dar ouvidos à essa gente escrota.
Levante as calças e feche a boca, plebe sérvil.

Caty Paulino disse...

Um dos caras mais inteligentes e éticos que já passaram pelo BBB.
Arrasa e vence essa!

Anônimo disse...

Um dos caras mais chatos que já tive notícia com essa estória de direito gay, direito pra qualquer cidadão independente se morde a fronha ou não meu filho! Paulina/PoA

Anônimo disse...

Mas um querendo se dar bem na vida sem ter que trabalhar, e aí esse papo de aranha de direito gay, me poupe espertalhão e lá vai os gays burros acreditando na conversa do gay esperto, aff...