quinta-feira, outubro 21, 2010

2 FILHOS, MESMO PAI, 2 MÃES QUE SÃO UM CASAL.

Repetindo:
2 filhos, mesmo pai, 2 mães que são um casal... é isso mesmo, exatamente assim.

Mas tudo isso não é invesão desta velha Cruela cansada de guerra não...

É um filme e  pode ser visto em São Paulo (cof cof cof) na Mostra de Cinema.

Bora?

MINHAS MÃES E MEU PAI
Joni acaba de fazer 18 anos. Laser, seu irmão, tem 15. Os dois são filhos do mesmo pai, mas de duas mães, Nic e Jules, respectivamente. E elas formam um casal. Minhas mães e meu pai, que entra em cartaz em 12 de novembro no Brasil e será exibido na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, é sobre a frágil relação que se cria entre homem-doador-de-esperma, adolescentes e as duas mulheres quando Laser e Joni decidem conhecer o pai biológico.



A questão do casal gay, Annette Bening (Nic) e Julianne Moore (Jules) em bela performance, é muito bem resolvida. Para elas, para os filhos, para o filme. Não há preconceito nem a discussão sobre preconceito. Elas se amam e acabou, o que é um “adianto” em filmes com essa temática, já que muitos só discutem os problemas da escolha sexual, e não as relações em si. Nic é a médica bem sucedida, que provê o lar, e durona. Jules é mais sentimental, meio perdida na questão profissional, sempre em busca de novos negócios e projetos. Os filhos (Mia Wasikowska, a Alice de Tim Burton, e Josh Hutcherson) parecem seguir os mesmos passos de suas respectivas mães, pelo menos no que diz respeito à educação e à determinação profissional.



Paul, o pai – na pele de um incorrigível sedutor, boa vida e presunçoso Mark Rufallo –, é dono de um restaurante e de uma horta orgânica que abastece a cozinha de seu estabelecimento. Solteiro convicto, não pensa em casar tão cedo. Abre-se aos “novos” filhos, que nem sabia existir. Questionado por Laser por que havia doado esperma, ele diz “porque parecia mais divertido do que doar sangue”. E o filme tem outras ótimas cenas engraçadas. Como a que Jules diz que viraria uma “lésbica inútil de meia-idade”, fazendo humor da sua própria desgraça.


Os atores trabalham muito bem e as cenas de amor são sensíveis e verossímeis, bem dirigidas. O casal Nic e Jules nada difere de casais héteros tradicionais porque a grande questão na película é a complexidade humana, e não a preferência sexual das pessoas. O controle, as falhas, as inseguranças, as desconfianças… É sempre assim, independe do sexo do sujeito. No prolongar da história, o filme dá uma brecada no ritmo, mas nada muito grave. Tem gente que nem irá perceber.


Minhas mães e meu pai foi dirigido por Lisa Cholodenko, que esteve à frente das séries de TV A Sete Palmos (2001) e The L World (2005). O filme ganhou o Festival de Berlim e passará na Mostra nos dias 22, 24, 25 e 26 de outubro e 1º de novembro.

(matéria publicada na coluna MENTE ABERTA da revista ÉPOCA)

18 comentários:

Nei kS disse...

Yeah!

Raíssa disse...

Adoreei!
=)

Accácia disse...

Parece ser um filme bom.
E qd tem mark Rufallo e Julianne Moore,fica ainda melhor!
Pra completar a cereja do bolo a outra protagonista é a Annet Bening?
Pena que tô no Rio,mas vou procurar em DVD!
Beijo pra vcs!
Accácia/Afrodite

Té disse...

Estava em Boston nos últimos meses e tive a oportunidade de assistir este filme no cinema!

"The kids are all right" (título original) é um filme gostoso de se assistir porém, sai da sala decepcionada. Talvez pq o desenvolvimento do roteiro não tenha me agradado.
Não concordei muito com a idéia machista, na minha opnião, onde o galã consegue comprometer uma casamento lésbico de muitos anos!

Mesmo assim é um filme que todo mundo deve assistir!

Ótima dica Cruela!!
outro filme do gênero que é vale a pena é "Habitacion en Roma"
e claro....não podemos esquecer do nacional que estreiou nos últimos dias: "Como esquecer" com Ana Paula Arósio e Murilo Rosa. Estou na expectativa ainda....

cruela veneno da silva disse...

olá Té.

Pelo trailler dá pra entender como tudo se desenrola.

Mas, cinema é isso aí né?

Também não gosto desse pensamento "só é sapatão pq nunca foi bem comida"

ps. olha só a diferença de nível... a Té é toda fina e eu jogo logo tudo no ventilador.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Teka disse...

Num é verdade?
Apesar do filme parecer assim, muito "mente aberta", essa idéia da personagem ter uma queda pelo cara é um tanto homofóbica não? E a parte em que ela abre a calça do cara? Tipo "Oh, my God, um pênis!!!" kkkkkk Me divirto, pq acho na realidade num é bem assim, eu por exemplo diria "eeecaaa, um pênis!" kkkkkk Num adianta, qndo a pessoa não nasce pra coisa, nao adianta insistir!

cruela veneno da silva disse...

Teka?

eu diria...

um pênis!!!
se olhar pra mim corto na unha e mato igual a um carrapato.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Thiago da Hora disse...

Me convidam para ir com vocês...? *.*

Anônimo disse...

não acredito q traduziram assim...

prefiro "the kids are all right".
vamos ver pra saber.

abs meninas,
@paulacotrin

Kallyth Melo disse...

KKKKKKKKKK exageradas¬¬'
infelizmente n sou tamanquinha 49 não :\ mas sempre achei essa de : é tamanca pq ainda n viu o tamanho do meu ! - puro machismo ! se querem fazer um filme lésbico que façam uai, agora n venham fazer um disfarçe de filme lésbico, quando que no fundo realmente só há uma mensagem : PURO MACHISMO JÁ ;\ pensando em assistir esse filme pra ter mais argumentos pra críticar ou mudar totalmente de idéia .. enfim
beeeeijos, Crueeells e Pers, ;*
Kallyth, (aprende cruela rs, )

L.S. Alves disse...

Cruela nem vi o filme ainda, mas vamos lá dar uns pitacos. Já tacharam o filme de machista, só porquê aparece um homem e abala um casamento? Teria que obrigatoriamente ser outra mulher? Segundo alguns comentários que li a idéia ideal seria um filme habitado só por mulheres. Será que a personagem não tem direito de gostar das duas coisas?

"Não concordei muito com a idéia machista, na minha opnião, onde o galã consegue comprometer uma casamento lésbico de muitos anos!"
Na minha opinião também não pode haver dúvidas. Escolheu tá escolhido não pode ficar arrependido.

"essa idéia da personagem ter uma queda pelo cara é um tanto homofóbica não?"
Se ela tivesse queda por outra mulher essa idéia seria heterofóbica.

"agora n venham fazer um disfarçe de filme lésbico, quando que no fundo realmente só há uma mensagem : PURO MACHISMO JÁ"
Concordo esse negócio de gato por lebre também não me agrada. Puro machismo quando na verdade eu queria Puro lesbismo(?)

Cruela um abraço. Vou esperar sair em DVD pra poder comentar melhor.

Juliana Castejon disse...

Fiquei tentada a assistir ao filme, mais ainda ao ler os comentários, quanta polêmica!!
Eu percebi que bem no começo a Cruela já apresentou como um filme que não era sobre a homossexualidade e sim sobre uma relação, além disso, tem a questão comercial, acho que aproximar as pessoas das relações homossexuais com naturalidade é sempre bem vindo. Enfim, quero assistir pra comentar mais.

Miss X disse...

Eu não quero assistir pra não me decepcionar... Apesar de adorar a J. Moore, só de ler o destino q a história toma, acabei desencanando...

L.S., acho que o que o pessoal quis dizer (isso me inclui) é que a maioria dos filmes dessa temática sempre caem neste velho clichê e isso é um saco. Simples assim.

Cruela Veneno da Silva disse...

eu vou assistir por que é filme...

não pela mensagem, quando quero mensagem eu assisit SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS.

Mas que acho clichê historia de ex viado e ex sapatão eu acho.

Mas, clichê por clichê eu acabo de assistir o do woody allen que é um cu dentro do outro de tão chato.

Mel disse...

É clichê, mas me fez rir. Vale a pena ir à mostra só porque a Juliane Moore continua linda, ruiva e cheia de pintinhas.Mas depois vamos conversar por aqui sobre o fato de muitas lésbicas adorarem verem filmes pornôs gays (de sexo entre homens, que fique claro!), como o casal do filme?

Uma Pulga em desesperO disse...

Eu quero assistir!

lola disse...

laser?

As Beliscas disse...

Então... acho que merece ser assitido, mas dá uma raiva!!! prontofalei!