terça-feira, setembro 20, 2011

CALCINHAS NA COZINHA- Sim, também somos "mulherzinhas".



Ultimamente eu estou numa vibe mei cozinha. Embora eu goste muito mais da decoração, daquelas coisas fofas e quase sempre inúteis, dos "adereços" que vão à mesa... decidi que agora vou mesmo é esquentar a barriga no fogão e me render à experiência de cozinhar.

Não que eu seja daquelas que não sabem nem fazer ovo frito... aliás, ovo frito eu sei fazer muito bem e, acredite se quiser, tem muito chefe de cozinha por aí que afirma ser bem difícil fazer um bom ovo frito. Então, não menosprezem o coitado.

Há um tempo atrás a mulherada andava sentindo um certo orgulho em dizer que não sabia nem fazer água quente. Era uma maneira de jogar na cara da sociedade esses anos de escravidão de forno e fogão pelo qual passaram nossas mães e avós. Era quase que um protesto deixar as panelas empoeirando no armário.

Aí de repente cozinhar voltou a ser bacana, mas de uma maneira que eu não acho nada bacana. Cozinhar virou estatus, virou ostentação.... sim, porque não basta cozinhar aquela receitinha honesta que está há anos na sua família, é preciso ser gourmet! É quase um sacrilégio nunca ter usado fava de baunilha. Você vai pro inferno se nunca tiver visto uma flor de sal. Aí junta todos esses ingredientes super acessíveis com uma panela que custa um salário mínimo, chama o seu amigo enólogo e o cenário está perfeito. Oi?

Parece que as pessoas ficam tão preocupadas com todas essas coisas que esquecem do significado da comida. Do que é cozinhar para pessoas queridas, do poder agregador daquela comidinha "hummm" e que tem gostinho de infância, cheia de memória afetiva. Onde foi parar tudo isso minha gente? O que aconteceu com a panela de barro? Aquela panelona de ferro que faz toda a diferença? O que aconteceu com a moelada? A costela? O feijão com "tranqueira", daqueles bem temperadinhos? O frango recheado? Veja bem, frango recheado com aquela farofinha delícia e não presunto parma.

Ah vá... quer dizer que não gosto de presunto parma. Não é isso, eu adoro, mas a coisa toda está na obrigatoriedade chata de ter que se render a esse tipo de comida o tempo todo, quando a gente sentiria muito mais prazer em deixar o presunto parma ser uma "gracinha" para de vez em quando.
E aí, o que isso tem a ver com o fato de eu não saber cozinhar? Explico. A gente fica nessa pressão toda de ser gourmet e de fazer coisas muito bacanas e fica com um medo danado de arriscar. Com medo de arriscar, quem não sabe cozinhar apela para o quê? Tempo para resposta...tic tac tic tac.... se vc respondeu risoto, acertou.

Eu, como uma alucinada por arroz que sou, decidi que não tinha como errar: arroz empapado (amo) e algumas variações que vc joga em um refogadinho honesto.
Deu certo e eu fiquei toda felizinha, mas aí descobri que risoto é a especialidade de quem não sabe cozinhar e deprimi. Eu que sempre amei risoto, de repente comecei a olhar meio torto pra ele... pra mim risoto virou o novo miojão.

Um sabádo mesmo eu resolvi fazer um risotinho de funghi pra umas amigas. Tava lá eu concentrada no risoto e suando frio pra que desse certo... isso pq eu já fiz várias vezes, mas as pessoas estavam ali esperando por ele e óia que pressão. No que eu tava mexendo o risoto pra não grudar na panela uma das meninas me alertou que eu estava mexendo demais e que ia empapar, aí já viu a adrenalina... poha, vai empapar e eu vou ter que pedir pizza. Que vergonha! Aí é que eu pergunto? Qual a vergonha? Nenhuma! Ou melhor, não deveria ser...

Arriscar é preciso e se vc mexeu demais e o risoto virou um bloco que só será dissolvido na base da coca cola, a experiência toda vai servir pra você acertar da próxima vez e sua amiga, como uma boa amiga, vai só soltar uma gargalhada gostosa quando cortar uma fatia do seu risoto. Simples assim.

A bem verdade é que não é todo mundo que cresceu em volta de um fogão a lenha ajudando a vovó a cozinhar. Infelizmente. Eu que nunca tive a oportunidade conviver com os meus avós, fico pensando na sorte de quem já viveu essa experiência culinária com essa pessoa tão especial.

Então, se vc é como eu que mal chegava perto de um fogão porque sua mãe não queria que você se queimasse, pare de se esconder no risoto e se joga em novas receitas sem medo de errar, porque muito provavelmente pra acertar você vai ter que errar algumas vezes. E é quase que garantido que a cada tentativa fica tudo melhor.

Deixa essa pressão de ser gourmet de lado, cozinhar é um ato de amor... com ou sem presunto parma. Liga pra sua mãe e pede aquela receitinha gostosa. Serve até mãe de amiga. Arrisque no salgado e arrisque no doce sem preconceitos... faça aquela receitinha delícia de pavê, aquela gelatina colorida que a criançada ama, o manjar que sua tia come rezando e aquele pudim que sempre é sucesso no almoço de domingo.
Acho que cozinhar tem que ser assim... de tão simples se torna mágico. Tô romântica?

Depois me conta como foi.
Persona.

22 comentários:

L.S. Alves disse...

Persona se a gente for seguir por essas modas exibicionistas não dá pra fazer nada, pois os ingredientes custam todos os olhos da cara e nós não podemos nos dar ao uxo de gastar tanto assim só pra parecer descolados.
O nnegócio é garantir o macarrão caseiro, feijoada, polenta com galinha, virado e arroz com feijão.
Um abraço e divirta-se.

DAMIS BAH! disse...

Engraçado você falou de uma coisa que eu curto também:
cozinhar-comidinha-pras-amiguinha.
Primeiro que eu adoro um improviso.Quando eu morava em Porto Alegre as minhas amigas chegavam para tomar um chimarrão antes do almoço,(olha o golpe...) se afundavam num sofá em ''L'' que eu tinha na cozinha(adoro cozinha grande com toalha xadrez)e eu preparava uma comida deliciosa ,com elas ali, mateando...
Agora moro no nordeste, troquei o frio pelo calor ,mas continuo achando a cozinha o melhor lugar da casa.Aliás, aprendi com minha avó que me deixava fazer ''bife na chapa'' no fogão a lenha.

Hoje, aqui em casa, até a hora do café da tarde é uma festa!

E´legal saber que não sou a única que curte essas coisas simples e encantadoramente sofisticadas!



P.s.Persona,o que a Cruela está achando dessa mulherzinha-brincando-de casinha?
rs

bon appétit pour vous!

Persona disse...

Alves, realmente esses ingredientes são de fato muito caros e dá pra investir de vez em quando pra um mimo ou outro e fazer uma coisa diferente sempre faz bem. Acontece que eu acho que as pessoas precisam parar de valorizar só isso e se entregar um pouco mais naquela comidinha aconchegante que até ganhou nome chique: comfort food.
;)

Persona disse...

Damis, eu descobri agora o prazer de cozinhar para os outros. Antes tarde do que nunca, não é?
Sempre estive do outro lado... provavelmente estaria ao lado das suas amigas no sofá, rindo e jogando conversa fora. Agora ando pilotando o fogão, erro mais do que acerto, mas ó.. garanto que me divirto muito!
Também acho cozinha a parte mais gostosa da casa, mesmo pra quem não sabe cozinhar...comida aproxima as pessoas.
Confesso que fiquei com invejinha do fogão a lenha da sua avó.
Me perdoa? ;)

Persona disse...

ah, Cruela está adorando essa nova fase mulherzinha, mas daqui a pouco ela começa a reclamar do peso... pode esperar!

DAMIS BAH! disse...

Bom,
Aceita sugestão para a Cruela não engordar muito?
Depois da comidinha...

...brincar de médico! ;)

STOPFOOD! disse...

adorei o post,aprendi com a tia e errando muito,minha renda principal vem da culinária.O que eu percebo hoje é esse medo de ser "menos chique" só porque tá comendo aquela paçoquinha de carne,o cozidão e não é bem assim, todos os alimentos tem sua importância na cozinha e quem ama cozinhar sabe disso,bons pratos!!

cruela veneno da silva disse...

eu fui criada com vó né? então de pé de fogão eu entendo :)

DAMIS BAH! disse...

Cruela,

Duvido a sua avó bater a minha!

Na casa dela tudo era permitido:tomar café preto e pão com patê,beber minuano limão,(entreguei a minha idade...)comer maria-mole e pasmem!Comer balas antes de dormir sem precisar escovar os dentes! O mais lindo foi que eu cresci e ela continuava querendo que eu comesse balas...quando eu ia dormir na sua casa, ela me acordava dizendo:

-D.minha filha ,acorda pra comer balas!
:)
gurias, vcs tocaram no meu lado nostálgico..rs

DAMIS BAH! disse...

detalhe:a netinha dela já estava com 26 aninhos e ela não havia sido avisada...rs

cruela disse...

kkkkkkkkkkkkkk, escovar dente? qué isso?

DAMIS BAH! disse...

'magina sas bestera...

É só arrancÁ tudo e botÁ chapa!

DAMIS BAH! disse...

'magina sas bestera...

É só arrancÁ tudo e botÁ chapa!

DAMIS BAH! disse...

'magina sas bestera...

É só arrancÁ tudo e botÁ chapa!

DAMIS BAH! disse...

'magina sas bestera...

É só arrancÁ tudo e botÁ chapa!

DAMIS BAH! disse...

Ei!
Desculpa aí essas mensagens replicadas, foi sem querer, trancou tudo aqui e quando veio foi a multiplicação dos pães!

Mary Valeriano disse...

Santas palavras Persona... Este post è completamente dentro do pensamento slow food e di Carlo Petrini... Contra a imperante "pornografia alimentar" que impera por todos os cantos (acho que os fotografos das revistas culinarias fazem estagio nas revistas pornos) Mulherzinha nota 10.
Os grandes chefs (aqueles gradissimos) são o que são porque valorizão a tradição.

Persona disse...

Damis, multiplicação dos pães tem tudo a ver com o post! kkkkkkk

Persona disse...

Mary, achei perfeito esse termo "pornografia alimentar"... é bem o que eu quis dizer nesse post.
Sem contar as bebidas e os doces.... aguardem os próximos posts!

Bjo, bjo.

DAMIS BAH! disse...

Persona bem grata...rs
...esse teu post abriu o apetite da galera...mexeu com as lombrigas e colocou todos no mesmo caldeirão!
à table!

Anônimo disse...

Do que eu sinto mais falta em não saber cozinhar? Bom, de chamar os amigos para uma farra em casa e não saber o que servir (vai uma pizza, um queijinho, uma torrada com patê da padaria.. e mais nada... ) Tenho vontade de aprender a cozinhar, mas sou uma aberração na cozinha.. Confesso, sou horrivel mesmo.. Sem jeito total!.. Uma negação!.. Mas ainda vou tomar coragem e seguir seus conselhos.. Nunca é tarde para começar (e que minhas cobaias me perdoem e tenham paciência infinita, mas a diversão vai ser certa, independente do resultado... pelo menos, se não for um sucesso, vai render boas gargalhadas...)

Madame disse...

Adoro cozinhar.